Páginas

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Sem julgamentos, só sentimento...

Sabe aquele sentimento que vem na hora em que menos se espera, pega a gente de surpresa, quando já não se espera mais que ele chegue...
Eu fui surpreendida, eu sinto hoje algo que jamais havia sentido por ninguém, e como eu queria, a como eu queria me entregar...
Porque será que tudo se torna muito mais difícil quando é pra gente?
Pela primeira vez na vida eu sonhei em me casar, nada de véu, grinalda, apenas o fato de passar o resto dos meus dias ao lado dele, de ser mãe dos filhos dele...
É até difícil pra mim dizer isso aqui assim, mais a sinceridade é o que me move e através dela que jogo palavras fora aqui...
Nesse momento eu sinto meu peito apertado, como se estivesse para perder algo muito valioso, que eu queria aqui perto, mais isso, essa vontade de te-lo aqui perto, pra mim, só pra mim, isso é o que me faz ter forças para não chorar...
Por menos tempo que haja, por mais que eu tente me controlar, é isso que eu sinto, quando me pego olhando pra sua foto e sorrindo na frente do computador, eu sinto que preciso muito mais de você do que imagino.
Eu sou assim, se quero é intenso, é verdadeiro, eu assumo, eu cuido, eu zelo, eu abraço...
Sei que cada um pensa de uma forma, mais minha certeza é que todo mundo que gosta faz o mesmo, quer o mesmo...
Sabe, todo mundo tem princípios, tem objetivos, tem algum foco na vida, e mesmo que esqueçamos alguns deles, sempre permanece um que nos lembrará do que queremos realmente...
Pra mim tudo perde o sentido quando penso no que quero: você. Nem princípios, nem objetivos, meu foco é te fazer feliz, isso em pensamento, mais eu não posso agir assim, eu não posso me entregar assim...
Eu gosto, eu cuido, eu zelo, eu assumo, eu quero e eu preciso do mesmo, se não for pedir muito, porque acho que quando realmente se quer algo se faz de tudo para te-lo, e como eu já demonstrei que posso ser carinhosa, compreensiva, ciumenta, e tenho muito querer em te fazer feliz só peço isso em troca: cuida de mim, zela por mim, goste de mim, me assuma... É pedir demais?
Por favor não exija muito de mim, que eu seja compreensiva além da conta, que eu deixe os ciumes de lado, eu já te mostrei o que pode conquistar sem mim, já te dei a chance de se livrar de mim, já pedi pra ir atrás do que quer, mais se o que quer for a mim, então, não peço muito pra poder te dar toda minha dedicação, só que me queira tanto quanto eu te quero.
Quanto eu te quero?
O suficiente pra mostrar pro mundo minha felicidade, pra dizer Eu te amo e saber que haverá reciprocidade, haverá troca, sentimentos do mesmo tamanho, sem diferenças, tudo igual...
Eu não quero pressão, nem remorsos, muito menos pena, sem perguntas, sem julgamentos...
Eu escrevi sim, tudo o que estava sentindo, mais não pra ser apontada como a errada ou a certa, simplesmente porque precisava eu mesma das minhas respostas e agora as tenho e junto de tudo isso o alívio de ser capaz de resumir em um texto o que não pude escrever em dias...
Desabafo...

(Desabafo do desabafo: eu não sei o que é pior, jogar tudo no ventilador ou ficar calada sem ser notada...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Espalhe por aí